segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Sonho.


Foi como ganhar um pedaço de tecido. Num primeiro momento, olhei sem saber o que fazer com ele, sem compreender pra que servia. E agora? – era a pergunta que me martelava a cabeça. Pouco depois, já familiarizada com a estampa, comecei a curtir, a ver beleza nele. Mais tarde, resolvi enfeitá-lo. Preguei botões, costurei rendinhas nas bordas, alinhavei, cortei as pontas que estavam sobrando, retoquei. Com um pouco de intuição e outro pouco de imaginação, fui entendendo do que se tratava. Um dia, feliz, me dei conta de que o que tinha nas mãos era a minha bonequinha. Boneca de pano que sorria pra mim. E como o Pinóquio, da madeira à carne, Giovana havia se transformado na minha princesinha. Minha filha. Reconheci-a. Ela, que sempre havia estado nos meus sonhos distantes, agora era real.

Um comentário:

Juliana disse...

Chega arrepiei!
Que delícia, linda!
=)