sábado, 18 de outubro de 2008

A censura não morreu



Esta semana a máscara caiu em Madri. A Espanha, um dos países representantes do top less no mundo, mostrou sua cara mais conservadora.

A poucos dias da estréia do filme “Diário de uma ninfômana”, dirigido por Christian Molina e baseado no livro homônimo da escritora francesa Valérie Tasso, o cartaz de divulgação foi censurado.

A Empresa Municipal de Transportes de Madri censurou a foto que deveria estar estampada nos ônibus e nos painéis das estações de metrô da capital espanhola.

O cartaz, agora exposto com uma tarja negra no meio, não deve chocar tanto os olhos castos dos conservadores e remanescentes franquistas.

No entanto, ao passar em frente às salas de cinema, alguns terão de fechar os olhos e virar a cara, pois aí os cartazes estão expostos tal e qual foram concebidos.

Sei lá, deve ter gente que se ofende com uma calcinha preta.

2 comentários:

Blog Papa Echo disse...

o velho mundo e a velha conduta!

Deraldo disse...

Adorei esse cartaz. Incrível como esses espanhóis não gostam.

Eta, estou indo a Cuba, para um curso de direção de cena na Escola Internacional de Cinema e TV. Vou me especializar para quando você voltar a gente fazer aquele documentário. Não esqueci, tá?
Entre no site www.senado.gov.br/tv/jango
Lá tem cenas do documentário Jango em 3 Atos.
Beijos
Deraldo Goulart