quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Quem quiser gostar...


Antes de postar o texto, eu gostaria de lembrar o significado da palavra "crônica".

crônica
crô.ni.ca
sf (gr khronikós, via lat) 1 Narração histórica, pela ordem do tempo em que se deram os fatos. 2 Seção ou artigo especiais sobre arte, literatura, assuntos científicos, esporte, notas sociais, humor etc., em jornal ou outro periódico, sempre do mesmo autor, geralmente refletindo suas idéias e tendências pessoais. 3 Biografia, geralmente escandalosa. 4 História da vida de um rei. sf pl Cada um dos dois livros do Antigo Testamento que narram os feitos das principais personagens bíblicas, especialmente os dos reis de Israel e Judá; Paralipômenos

Aí vai a crônica!

Quem quiser gostar...

Eu sou uma mulher que, aos olhos dos outros, aparento muito bem resolvida. Carrego comigo, de cabeça em pé, os meus noventa e oito quilos. Tudo bem, o joelho esquerdo está fodido, mas o direito segura a onda.

Mas o lance do joelho não é só o peso. É que eu sofri um acidente quando era pequena. Me atropelaram – uma amiga da minha mãe. Aí fiquei assim, meio coxa.

Lembro da minha mãe me proibindo a andar de bicicleta. Nunca andei. Não sei andar... E não vai ser agora, aos trinta, que vou aprender. Eu passo de andar de bicicleta. É patético.

Cara, acho que as pessoas se intimidam um pouco com a minha presença, sabe? Eu sou corpulenta, grande, tenho um cabelão blackpower... E, vamos combinar, sou bonita. Tenho o rosto muito bonito. Além do mais, sou simpática.

Bueno, sou simpática quando quero. Porque quando eu resolvo ser grossa... sai de baixo.

Mas em geral, sou tranqüila.

A minha mãe me banca com a grana que meu pai deixou de herança. E olha que o coroa deixou muita grana... Então vivo numa boa. Vou fazendo uns cursos e uns másteres por aí e mando as notas pra ela. Ela fica contente e solta a verba.

É que eu fui adotada, sabe? Aí eu acho que a minha mãe tem um sentimento meio distorcido por mim. Ela e o meu pai sempre me deram de tudo, numa vontade louca de suprir algo que não lhes correspondia. E sofreram. E não preencheram os espaços... E jamais preencherão.

Eu acho que ando com problemas com o álcool... Na verdade, isso eu não conto pra ninguém. Sempre me defendo dizendo que nem bebo tanto quanto neguinho imagina. Mas a verdade é que bebo mais do que eles imaginam.

Aí saio, me embriago, falo o que não acho, faço o que critico, penso e ajo como não devia, nem queria...

Faço minhas merdas por aí.

Depois fico mal pra cacete. Não consigo sair da cama no dia seguinte. Peço um tele-trash e me entupo de comida “basura”.

Me arrependo.

Ligo a televisão e boto nos Simpsons ou em Family Guy. Assim me sinto melhor. Não sou a única.

Eu me saboto. Tenho um poder de sabotagem impressionante. Saboto meus amigos!!!

Me convenço de que, na verdade, a vida é assim. E há que se desfrutar enquanto pode.

Eu sei que não tenho muito tempo. Mais dia ou menos dia, vou ter que me arranjar. Seja com um marido rico, seja de outra maneira... não importa.

Acho que a crise dos trinta chegou. Estou em um momento de auto-reflexão. Auto-conhecimento...

Auto-ajuda! É isso que eu preciso! Rárárá.

Quero mais é que a auto-ajuda se exploda. Que se danem. Eu sou assim... quem quiser gostar de mim, eu sou assim.

E olha, vou dizer uma coisa: Tem quem goste!

2 comentários:

Sou a Ju disse...

Linda, to fazendo uma materia de psicologia, entao no seu texto todo, enquanto voce descrevia muito bem o que acho que rola por ai eu lia: oral rage, narcisistic injury, oral rage, tranference, oral rage, avoidant-attached, oral rage... hehehe!
Esse Freud ainda me deixa loooouuuucaaaa!
E, como sempre, voce vai sentindo, percebendo e expressando tudo isso tao bem!!!
E tem seeempre alguem que goste, ne? hehehe...
Beijos, linda!
Continue escrevendo, que eu to sempre lendo!!!

prisqua disse...

Eta!! Tudo bem linda? Lembrei de você hoje logo quando acordei e pensei...poxa estamos relativamente perto e temos que dar um jeito de encontrar nessa Europa,hehe.

Então pensei logo no seu blog e espero que você entre nele com frequência para ver esse recadinho... Vou tentar te ligar do skype para saber como estão as coisas por ai. Você fica por aqui até quando? Eu ainda estou sem celular aqui em Paris mas estou sempre na internet se quiser falar comigo. Vem me ver ou eu vou te ver, mas vamos combinar? beijos, saudades Pri