terça-feira, 10 de junho de 2008

A pomba


A história da pomba foi assim.

Eu tava deitadona, tomando sol num gramadão, curtindo, relaxada, de olhos fechados, como uma rainha. Eis que escuto um flap flap de asas batendo. Abro os olhos. Ela, a pomba, voa até o galho que está sobre minha cabeça.

Não era uma pomba terceiro-mundista. Era uma pomba holandesa, bem alimentada. Forte. Parruda. E discreta.

Observo a pomba pousar e tenho um mau pressentimento. De repente é como se toda aquela paz que eu sentia dentro de mim tivesse escorrido entre meus dedos. Medo.

Me levanto sobressaltada e desperto meu irmão do sono bom da tarde.

Ju, olha, olha! Ta mirando a bazuca anal pra mim!!!

Hã?

A pomba! Ela ta com a bazuca virada pra cá!!

É mesmo... Ta com cara de quem vai cag... Cagou!

Caralho! Eu sabia! Eu sabia!

Pois é, a pomba holandesa perdeu a classe.

Um comentário:

Sou a Ju disse...

Hahaha, acontece nas melhores familias!