terça-feira, 9 de setembro de 2008

Uma cidade que desaba



Madrid, essa cidade que há poucos meses parecia inatingível e que agora é um pouco minha, desaba.

Desaba água, granizo, trovões e raios. Desaba como se fosse uma mulher, forte e poderosa, que, em um determinado momento, não contém as lágrimas.

Digo que parece uma mulher porque vejo muito de feminino nela. E porque não posso deixar de relacioná-la com Brasília, outro mulherão. Desses que deixam os homens (e agora me refiro à raça humana) sem ar, secos, desidratados, boquiabertos.

São duas grandes cidades, como têm que ser, no feminino. São duas potencias de qualquer coisa. E não me refiro ao caráter político, que é masculino; me refiro à natureza, à beleza, que são femininas.

Às vezes eu paro pra pensar no significado das cidades... até porque elas são tantas e tão variadas... e, de alguma maneira, moldam quem vive nelas.

Sempre falamos de Brasília, tão geométrica, tão sem esquinas, tão plana e alta... Certamente, e muita gente corrobora com essa hipótese, ela influencia a vida de quem nela vive. Assim como todas as outras cidades.

Cada vez mais eu compreendo essa necessidade que o ser humano tem de se localizar no espaço.

“E você, da onde é?”

Sempre estamos querendo saber a que universo os outros pertencem, assim podemos entender-los melhor. Por exemplo, faz toda a diferença ser de Brasília ou do Rio, que, apesar de maravilhosa, é uma cidade no masculino. Assim como faz toda diferença ser de Nova Iorque ou de Tóquio.

É... nós somos mesmo um pequeno quebra-cabeças, onde cada pecinha faz a diferença.

Eu sou de Brasília. Para sempre. Mas levo comigo um pedaço gaúcho. E, mais recentemente, um “trozo madrileño”, com certeza.

Hasta porque, el bailao nadie me lo quita.

2 comentários:

Sou a Ju disse...

Peguei pra ler um livro do Italo Calvino, As Cidades Invisiveis. Le!

Beijocas!

isa disse...

oi!
vi um texto teu no blog amigos de pelotas e vim te visitar.
gostei muito do que escreves!
tambem morei em madrid para fazer o doutorado, há tempos atras.
vou a um congresso em novembro por aí.
aproveita esta cidade, que é realmente maravilhosa!
beijos!